Blog Carreira & Mercado

Novas vagas
RH

Por que o RH deveria entrevistar todos os estagiários ao final do contrato, inclusive os que serão efetivados

Entrevistas de desligamento são uma ferramenta importantíssima para colher feedbacks, medir a temperatura da organização e entender a quantas anda a percepção das pessoas. Além, claro, de ser um momento para prestar suporte ao ex-funcionário, demostrando solidariedade e oferecendo auxílio.

Ah, mas eu vou efetivar o estagiário, então não preciso conversar com ele no encerramento do contrato. Errado! Funcionários que estão de saída ou sendo promovidos também devem ser ouvidos, pois ficam mais propensos a dizer aquilo que não tinham coragem antes e a dar sugestões e insights para o RH.

Leia também: Como ter uma gestão de RH mais eficaz?

A boa notícia é que existem várias maneiras de conduzir esse processo. Dá para realizar uma conversa olho no olho, enviar um questionário, aplicar uma pesquisa múltipla escolha e até mesmo apostar em uma combinação desses métodos.

Seja como for, o mais importante é pensar em perguntas diretas e fáceis de responder. Presencialmente, é mais fácil esclarecer dúvidas e explicar o que se quer saber, mas, se o estagiário estiver respondendo a um questionário online, clareza é fundamental. Lembre-se: questões confusas geram apontamentos imprecisos.

Está em dúvida sobre o que perguntar aos jovens recém-formados que estão saindo da empresa ou, então, sendo efetivados? Nós listamos três perguntas que podem trazer bons insights para o RH.

Lembrando que os questionamentos devem estar alinhados com as dores da companhia e com aquilo que se deseja compreender melhor. Vamos às nossas sugestões:

 Como você descreveria a cultura da empresa?

Estagiários são ótimas fontes de informação, pois ficaram na organização por menos tempo e enxergam a situação de um jeito diferente de funcionários mais antigos. Por isso, vale muito a pena questionar a eles sobre a cultura e o clima organizacional.

Avaliações feitas por talentos em início de carreira ajudam o RH a identificar gaps e tendências e a responder perguntas estratégicas, tais como: nossa liderança está mesmo aberta? Nossa hierarquia está atrapalhando a troca de experiências entre pessoas de diferentes níveis? Estagiários e analistas conseguem participar de projetos desafiadores? As pessoas estão colaborando (ou competindo) entre si?

Se pudesse fazer uma mudança no programa de estágio, qual seria?

O objetivo aqui é entender pontos de atenção em seus programas de entrada.

A geração Z, nascida a partir dos anos 2000, é uma das mais desafiadoras para o RH e ouvi-la pode trazer ideias relevantes do que deve ser feito para trabalhar o desenvolvimento e o potencial desse público, que, em última instância, será responsável pelo futuro dos negócios.

É possível entender, por exemplo, se os benefícios atendem ao que eles consideram importante, se a bolsa-auxílio é suficiente e se o ciclo desenhado está de acordo com as expectativas dos jovens talentos — ou seja, oferecer vivências práticas e prepará-los para o mercado de trabalho.

O estágio possibilitou consolidar o conhecimento da faculdade?

Uma pesquisa conduzida pela Companhia de Estágios mostrou que 48% dos estudantes enxergam “a oportunidade de colocar em prática o que aprende na faculdade” como a principal vantagem de fazer um estágio; e 39% veem “a possibilidade de conciliar o trabalho com os estudos” como o maior benefício.

Ou seja, o equilíbrio entre atividades acadêmicas e profissionais conta muito. E a entrevista de encerramento de contrato é uma excelente maneira de descobrir se suas vagas de estágio estão calibradas e permitem a concretização de aprendizados de um jeito saudável e eficiente, sem sobrecarga ou pressão.

Quais as vantagens desse tipo de entrevista?

Melhora a imagem da empresa

Independente do motivo do desligamento, esse é sempre um momento muito importante tanto para a empresa quanto para o profissional, pois trata-se de um fechamento de ciclo.  Oferecer suporte mostra que a companhia se importa com todos os que passam por ela.

Isso melhora a reputação, deixando um sentimento positivo no jovem que está saindo. Já para os que estão sendo efetivados, aumenta o engajamento e melhora a percepção.

Aproxima a empresa do ex-funcionário

Finalizar o contrato de estágio, sem efetivar o jovem, nem sempre esse é tranquilo e o objetivo da entrevista de desligamento é justamente amenizar essa tensão e mostrar que há um canal aberto para futuras oportunidades. Ser transparente e abrir diálogo fortalece a percepção sobre a companhia e ajuda muito na imagem da marca empregadora.

Fortalece a cultura
Nenhuma organização será capaz de consolidar sua cultura sem ouvir as pessoas. O feedback delas é a melhor maneira de entender quais são os erros e o que deve ser melhorado. O encerramento do contrato também é uma boa hora para a empresa reforçar competências do estagiário, destacando os pontos positivos e agradecendo pela dedicação durante a trajetória dele na companhia.

Ajuda a frear o turnover

Se cada vez mais pessoas estão deixando a organização, descobrir o porquê é crucial. E a ferramenta mais útil para isso são as entrevistas de desligamento.

Muitas vezes subestimadas pela gestão, estas conversas são fontes riquíssimas de dados. Mas fica o alerta: não adianta coletar informações, mas não analisá-las. Ou analisá-las, mas não compartilhar os resultados para que os líderes possam agir.

Para que as entrevistas de desligamento ou encerramento de contratos de estágio sejam eficazes é essencial se debruçar sobre eles em busca de respostas e soluções para os problemas.

Esse artigo foi útil para você? Continue também acompanhando o nosso blog para mais dicas e nos siga no Facebook, Twitter, Instagram e Youtube.