Blog Carreira & Mercado

Novas vagas
Vídeos

Exclusivo: Vahan Agopyan, reitor da USP, fala sobre o futuro da educação

“Este não é um ano perdido, é apenas um ano diferente”. Foi assim que Vahan Agopyan, reitor da Universidade de São Paulo (USP), definiu 2020 durante a #14 live da Companhia de Estágios.

Transmitida ao vivo pelo nosso canal do YouTube, a conversa abordou os reflexos da pandemia na vida dos estudantes brasileiros, o futuro da educação e o perfil da geração Z.

No início do bate-papo, com o CEO Tiago Mavichian e o gerente de marketing Fabricio Treviso, o reitor contou sobre sua trajetória de vida e falou da força-tarefa que a USP realizou durante a crise do coronavírus. “Mais de 90% das disciplinas estão sendo oferecidas aos nossos alunos. Já as aulas práticas devem ser repostas em janeiro, fevereiro e março.”

Assista ao vídeo completo aqui:

Questionado sobre as consequências do isolamento para o aprendizado e a carreira dos universitários, Vahan foi categórico. “Nós não estamos informando, nós estamos formando pessoas. Vivemos no século 21, onde a informação está disponível. O mais importante neste momento é o aluno se preocupar se vai conseguir acompanhar e fazer o que é esperado dele para concluir o ano”, disse, citando que o número de repetências no primeiro semestre não foi maior do que o registrado no mesmo período do ano passado

Covid-19 e o futuro da educação

Sobre os avanços científicos da USP para combater o coronavírus, Vahan revelou que existem hoje 250 grupos estudando o tema na instituição, em diferentes áreas do conhecimento. “Um quarto dos nossos docentes e alunos de pós-graduação voltaram os estudos para a doença.”

Ele também afirmou que, com a crise sanitária sem precedentes, as universidades pararam de competir entre si e passaram a cooperar. “Houve uma mudança de mentalidade.”

Sobre o futuro da educação, o reitor disse que mais do que um modelo híbrido (que mescla aulas presenciais com remotas), a tendência será o estudante obter a informação remotamente, em casa, enquanto a sala de aula será usada para aprofundar, debater e aplicar o conteúdo absorvido. Na visão dele, o aluno terá de ser ainda mais ativo no processo de aprendizagem. “Não vai adiantar dormir em sala.”

Habilidade técnica versus comportamento 

Vahan também citou o fato de que, cada vez mais, as disciplinas técnicas serão colocadas em xeque. “Nosso maior desafio hoje é não saber quais serão as profissões daqui dez anos. Por isso, estamos preocupados em dar uma formação sólida para que o aluno possa se desenvolver [conforme a realidade do mercado exigir].” Para o reitor, a escola estará sempre atrasada em relação aos acontecimentos, por isso seu papel será ensinar o aluno a desenvolver competências criativas e socioemocionais e a buscar a informação por si próprio.

“O mundo se tornou mais complexo. Quando me formei, um engenheiro só precisava conhecer as fórmulas. Hoje, se não souber argumentar, defender um ponto de vista e atuar em times multidisciplinares, não se destaca. E esse tipo de habilidade se ensina com formação; não em um curso de seis meses.”

No terceiro e último bloco da conversa, Vahan Agopyan  falou sobre a geração Z. “Ela é diferente, tem um outro tipo de raciocínio e abordagem dos problemas. Não dá para criar um modelo de educação no qual esses jovens não sejam ativos.” Ao final, ele ainda deu um conselho a esses estudantes. “Independente do que estiverem fazendo, façam com qualidade e com vontade. Não atropelem as etapas, não sejam presunçosos. Ainda que uma tarefa for fácil demais para vocês, procurem dar o melhor.”

Veja outras lives da Companhia de Estágios:

Os mitos e as verdade sobre o trabalho home office 
Tudo sobre a contratação de estagiários e trainees na crise

Ricardo Mueller, diretor global de transformação na Reckitt Benckiser
Eduardo Marques, diretor de RH do Grupo Fleury
Sergio Fajerman, diretor executivo de RH do Itaú Unibanco

Sua carreira profissional começa em boa companhia.

Um único cadastro dá o direito para se aplicar a qualquer vaga e programas de experiência!