Blog Carreira & Mercado

Novas vagas
Candidato

Vice-presidente do Instituto Ayrton Senna mostra três competências essenciais para liderar no futuro

A Companhia de Estágios conversou ao vivo nesta segunda-feira (24) com Ewerton Fulini, vice-presidente corporativo do Instituto Ayrton Senna, cuja principal missão é melhorar a educação do Brasil.

Na live, comandada por Tiago Mavichian e Fabricio Treviso, respectivamente CEO e gerente de marketing da Companhia de Estágios, Ewerton falou sobre competências socioemocionais e sua importância para a liderança do futuro.

Antes de entrar no tema, ele contou sobre sua trajetória: ele foi de vendedor da C&A a gerente de RH na Cyrela. Nascido no interior de São Paulo e de origem humilde, Ewerton estudou em escolas públicas enquanto trabalhava no comércio da família — os pais eram donos de uma lanchonete. “Minha história envolve resiliência e superação. Eu sempre fui curioso e soube que a educação transformaria minha vida. E foi o que aconteceu. Por isso, estou tão conectado ao propósito do instituto”.

Assista ao vídeo completo:

Hoje, enquanto o Instituto Ayrton Senna busca desenvolver as habilidades socioemocionais de alunos e educadores nas escolas brasileiras, o executivo vem associando a questão ao universo corporativo. Por isso, ele se tornou um porta-voz das emoções no mundo do trabalho. “Nós temos no instituto um modelo com cinco macrocompetências. Vou dar destaque a três delas aqui hoje porque as considero vitais nesse momento: a primeira é a autogestão, que envolve cinco outras habilidades, determinação, organização, foco, persistência e responsabilidade”.

A segunda é a amabilidade, que requer empatia, respeito e confiança, sentimentos que tornam o clima mais harmonioso e fazem com que as pessoas colaborem entre si, sejam mais produtivas e inovem. “As novas gerações são estimuladas por ambientes assim. E é isso que faz um jovem ficar na empresa”, diz.

A terceira e última competência, de acordo com o executivo, é a resiliência emocional. “Ela nada mais é do que a maneira como cada um de nós reage às emoções negativas, que são três: tristeza, raiva e ansiedade. Quem tem o maior nível dessa competência confia mais em sua capacidade de realizar tarefas e de regular sentimentos para lidar com os desafios do dia a dia.”

Na visão de Ewerton, o home office coloca todas essas aptidões à prova, sobretudo para gestores. Isso porque, em tese, não se controlam mais os horários, e sim as entregas. “Nesse tipo de modelo, a confiança e autonomia são pilares”.

Veja outras lives da Companhia de Estágios
Ricardo Mueller, diretor global de transformação na Reckitt Benckiser
Eduardo Marques, diretor de RH do Grupo Fleury
Sergio Fajerman, diretor executivo de RH do Itaú Unibanco

Mas como desenvolver essas habilidades, muitas vezes subjetivas? Para o vice-presidente do Instituto Ayrton Senna, só tem um jeito: treinar a autoconfiança, a resistência ao estresse e a tolerância à frustração. “Eu sugiro exercitar o olhar positivo em vez de lamentar. Coisas ruins vão acontecer. E reclamar não resolve a questão. É por isso que muitos de nós pontuam com exatidão qual é o problema, mas poucos trazem uma solução.”

Buscando estágio ou programa de trainee? Veja as vagas disponíveis em nosso site!

Durante o bate-papo, Ewerton falou também sobre propósito e trouxe várias histórias de bastidores do ídolo Ayrton Senna, que tinha uma postura inspiradora e dava exemplos frequentes de determinação e humildade. Ainda sobre exemplo, ele mostrou que todo líder deve ser um espelho para a equipe. “Eu brinco que era uma lâmpada ‘meia fase’; e hoje sou uma lâmpada explodindo de iluminação por conta da minha chefe, a Viviane Senna, que é de fato muito inspiradora. Quando temos uma conexão com nosso líder, isso faz toda diferença. Por isso, tento fazer isso com meu time. Procuro desafiá-lo ao máximo, dar autonomia e esperar o resultado. Não tem nada pior que um líder ansioso querendo fazer no lugar do colaborador.”

Ewerton também falou sobre o papel da vulnerabilidade para a liderança do futuro. “Um líder precisa ser arrojado. Se não abraçar a vulnerabilidade, não terá coragem de arriscar, de se posicionar em momentos decisivos. Liderança não é ego, é fomentar colaboração, lidar com conflitos e preparar sucessores. ”

Para assistir à live completa, que teve até mensagem de Viviane Senna, acesse nosso canal no YouTube. Mais de 10.000 pessoas já assistiram nossas lives, transmitidas ao vivo semanalmente. Não deixe de ativar o sininho para receber as novidades.

Sua carreira profissional começa em boa companhia.

Um único cadastro dá o direito para se aplicar a qualquer vaga e programas de experiência!